15 de abril de 2019

Segredos - Capítulo 1



Olá, apreciadores da leitura!

Estou escrevendo uma nova história. Vou deixar aqui o primeiro capítulo como degustação. Se vocês se interessarem, postarei mais capítulos depois.

Capítulo 1 

Era fim de tarde. Aled havia cortado a última tora de madeira e dera seu trabalho por encerrado naquele dia. Com o intuito de se refrescar, ele caminhou até o riacho. Retirou a camisa às pressas e estava prestes a pular na água quando algo chamou a sua atenção. O tecido vermelho se destacava em meio à paisagem predominantemente verde. Aled tentou concentrar sua visão naquele ponto vermelho. Logo ele constatou que se tratava de uma pessoa. Uma mulher. 

Nadando, ele foi até ela, que se encontrava à beira do riacho, com metade do corpo ainda dentro da água. O vestido vermelho estava parcialmente rasgado, revelando uma pele clara e machucada. A mulher deveria ter vindo de muito longe, sendo carregada pela correnteza e tendo sua pele machucada pelos galhos e raízes de árvores que encontrou pelo rio. 

Aled se aproximou e tocou nela com cuidado. Ainda estava viva. Mas, se ele não fizesse algo, ela morreria em breve. 

A cabana onde Aled morava não ficava muito longe. E sendo jovem e forte, ele não teve dificuldade de carregar a mulher até um lugar seguro e aquecido. Não foi preciso fazer respiração boca a boca, visto que ela respirava sem dificuldade. Só estava desacordada, talvez devido ao cansaço. 

Aled a deitou no tapete, perto da lareira. Em seguida foi até o quarto, onde pegou uma de suas roupas. Ao voltar para pequena sala, retirou com cuidado do que sobrava do vestido da mulher. A visão de seu belo corpo nu o deixou um pouco incomodado, pois fazia muito tempo que ele não via uma mulher. Ainda mais tão bela. Afastando os pensamentos inapropriados, ele tentou vesti-la o mais depressa possível. Só depois que ela estava devidamente coberta com uma calça e um casaco, Aled se afastou um pouco e se sentou do outro lado da pequena sala. Ele observava com curiosidade aquela misteriosa mulher e se questionava como ela poderia ter aparecido ali, uma vez que estavam muito longe de qualquer lugar habitado por humanos. E se ela vinha de tão longe assim, como conseguiu sobreviver? 

Os cabelos escuros da mulher não eram muito longos, ficavam na altura dos ombros. Seu rosto delicado estava um pouco arranhado. Os lábios, que agora estavam adquirindo de volta o tom avermelhado, estavam levemente entreabertos. Aled imaginou que gosto eles teriam, mas, mais uma vez, afastou esses pensamentos e resolveu ir para a cozinha preparar alguma coisa para comer. 

No dia seguinte, ele daria um jeito de mandar a mulher embora. Provavelmente devia haver pessoas à procura dela nesse momento e Aled não queria ser incomodado por ninguém ali, invadindo as suas terras. Foi com muito sacrifício que ele conseguiu encontrar um lugar como aquele para viver. Não ia ser por causa de uma mulher que colocaria a sua segurança em risco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário