Cidade dos Vampiros - Capítulo dois



Capítulo 2

A festa vai começar daqui a uma hora e será na casa do Bruno. Não gostei da ideia, pois o Bruno é aquele cara esquisitão da turma que eu desconfio que fuma algumas coisas estranhas. É só uma suposição minha, mas ele é esquisito mesmo. Não conversa muito, está sempre na dele... Mas o Luca, o cara que está organizando as festas, descobriu que os pais do Bruno estariam viajando neste final de semana e decidiu que a festa tinha que ser lá, pois teríamos a casa só para nós. Outra coisa que não gostei foi a localização. Não sabia que a casa do Bruno era tão distante de onde moro. Vou ter que pegar um táxi até lá.

Eu sempre vou junto com a Jéssica para essas festas, mas desta vez ela vai com o Sebastian. Ele vai pegá-la de moto, portanto, eu sobrei. Pensei em chamar o Caio, mas quando consultei o Google Maps, percebi que seria uma contramão e tanto para ele. Melhor ir sozinha mesmo. Só assim posso voltar a hora que eu quiser, porque pressinto que não vou gostar dessa festa.

 

Infelizmente, minhas suspeitas foram confirmadas. Bruno, o estranho, tem amigos mais estranhos do que ele. E estão todos aqui na festa, o que quebra as regras, pois só os amigos da escola deveriam participar. Mas acho que ninguém além de mim parece ter se importado com isso, porque estão todos dançando no meio da sala. E alguns estão bebendo. Os móveis foram arrastados para um canto e a sala é espaçosa o suficiente para que os dezoito alunos mais uns seis colegas do Bruno fiquem à vontade com as coreografias.

Jéssica para de dançar e vem me cumprimentar.

— Oi. Você demorou.

— O taxista meio que se perdeu. É longe isso aqui.

— É. O Sebastian se perdeu também, mas deu tudo certo. Vamos dançar?

Sim, dançar era melhor do que tentar conversar gritando, já que o som estava muito alto.

Entrei no meio da turma e comecei a dançar. Neguei todas as garrafas de bebidas que me ofereceram. Aposto que tudo ali estava batizado. Não consegui encontrar o Caio de imediato. Depois, vi que ele estava aos beijos com a Samara, uma de nossas colegas. Ela vinha dando em cima dele ultimamente, mas eu pensei que ele não tivesse interessado. Bom, mas agora, do jeito que as coisas estão ali no canto, ele parece bem a fim.

Tento me divertir, danço e converso com algumas pessoas, mas a verdade é que não estou no clima. Já me desvencilhei de dois garotos que tentarem me beijar, sendo que um deles estava completamente embriagado.

Depois de passar duas horas ali, decido que é melhor ir embora. O problema é não ter companhia para ir pelo menos até o ponto de táxi. Eu teria chamado a Jéssica, mas não consegui encontrá-la. Deve ter ido para um cantinho mais isolado com o Sebastian.

Quando o taxista me trouxe, ele disse que o ponto de táxi ficava logo ali na esquina. E que teria táxi durante a noite toda. Por isso não me preocupei em ligar, apenas saí da casa e decidi ir até a lá.

Já na rua, percebi que estava quebrando todas as regras de segurança. Pois era quase uma hora na manhã, estava um pouco deserto e a rua na verdade era bem comprida, portanto, a esquina não estava tão perto assim.

Eu estava um pouco tensa. Sabia que estava sendo irresponsável por me deixar nessa situação. A rua estava tão silenciosa que eu escutava meus próprios passos. Eu parecia aqueles personagens de filmes de terror. Para minha sorte, percebi que o carro parado próximo à esquina era mesmo um táxi.

Respirei aliviada e apressei o passo, mas antes que eu pudesse chegar até lá o carro foi ligado. Corri e gritei. O motorista parou. No entanto, o meu alívio foi embora quando ele disse que já estava com um passageiro e que logo, logo outro táxi iria “encostar” ali.

Não havia outra opção. Eu só podia sentar e esperar. O problema era que eu estava sentindo um medo tão grande. Não conhecia aquela parte da cidade. Não sabia se era um bairro perigoso. Mas acredito que, àquela hora, para uma garota sozinha, qualquer lugar seria perigoso.

Não havia ninguém na rua. O único barulho que eu ouvia era de uma música ao longe, provavelmente da festa. E mesmo assim era um som abafado, pois na casa do Bruno estava tudo fechado, portas e janelas. Estava pensando em tirar o celular do bolso e ligar para algum táxi quando levei um tremendo susto. Do nada, um casal apareceu bem na minha frente.

Achei aquilo superestranho, pois não havia mesmo ninguém na rua. Então, de onde eles tinham surgido?

— Que corajosa, sozinha na rua a essa hora — disse o rapaz com uma voz irônica e ameaçadora.

Eu me arrepiei por inteira. Sabia que ele não era uma boa pessoa. Sabia que estava encrencada.

Eu devo ter feito uma cara de puro horror, pois a garota que estava ao lado do rapaz gargalhou.

— Está com medinho? — provocou o rapaz.

— Não, Adan, ela ainda não está com medinho. Ainda não viu nada — disse a garota se aproximando de mim.

Por instinto, levei a minha mão ao bolso da jaqueta que eu usava. Nele havia um canivete que eu sempre levava comigo. Não por viver me sentindo ameaçada, e sim porque era a única coisa que me restava da minha mãe. Segundo Morgan, era uma herança de família. De fato, o canivete parecia uma relíquia antiga. Não era desses que você encontra para vender atualmente.

A garota era bonita, mas parecia cruel. Tinha algo de diferente nela, que não consegui perceber no início, mas assim que ela se aproximou mais de mim, deu um sorriso sarcástico e fez questão de mostrar suas presas, isso mesmo, presas, percebi que era uma vampira. Eu só podia estar ficando louca. Aquilo não podia ser real, mas, pensando bem, aqueles dentes poderiam ser um aplique. Existe louco para tudo nesse mundo. No entanto, algo me inquietava. Eles surgiram ali do nada, não foi?

— Isso mesmo, garotinha. A cara de incredulidade é a melhor parte. “Oh, os vampiros existem” — ela disse com ironia. E depois completou: — Vou deixar você escolher. Quer uma mordidinha no pulso ou pescoço?

— Já chega, Lilith. Você já se alimentou hoje. Agora é a minha vez — disse o garoto se aproximando de mim também com suas presas à mostra.

Ele ia me atacar, mas, antes que pudesse fazer isso, peguei o canivete e enfiei em seu peito. Fiz isso por puro instinto de defesa. Eu não fazia ideia do que estava fazendo. Mas, por incrível que pareça, surtiu efeito. O vampiro me encarou com cara de dor. Ele levou a mão ao peito, tentando tirar o meu canivete que ainda estava preso lá. Mas não demorou muito, o vampiro caiu no chão e, aos poucos, foi se transformando em cinzas.

A vampira ao meu lado observava aquilo tão surpresa quando eu. Depois de um tempo, ela olhou para mim. O sarcasmo havia sumido da sua voz quando perguntou:

— Quem é você?

Eu que não ia dizer o meu nome.

— Como fez isso?

— Eu não faço ideia — respondi.

Eu queria pegar o meu canivete de volta, mas estava com nojo porque ele estava um pouco enterrado em um monte de cinzas que, aos poucos, a brisa começou a espalhar.

Quando fiz menção de pegar o canivete, a vampira disse:

— Nem pense em fazer isso.

Ela se aproximou do monte de cinzas e chutou o canivete com uma força tão sobrenatural que ele foi parar muito longe, tão longe que eu não conseguia mais vê-lo. Senti vontade de chorar. Era a única coisa que tinha da minha mãe para guardar como lembrança.

Mas, pensando bem, talvez eu não precisasse me preocupar com lembranças, pois certamente a vampira não deixaria barato o que eu fiz com o amigo dela.

E agora ela me olhava. E, por incrível que pareça, não havia ódio em seu olhar, mas surpresa. Aos poucos, foi surgindo um sorriso em seus lábios. Ela parecia... feliz? Que loucura.

— Você vem comigo, garotinha.

— Não vou, não.

— Sim. Não ache que meus amigos vão querer deixar isso que você fez sem nenhuma punição. Mas, vou lhe contar um segredo.

Não perguntei qual era o segredo. Não estava interessada em saber. Eu só queria ir embora. Principalmente agora que eu soube que havia mais deles.

Estava prestes a sair correndo quando ela me segurou pelos dois braços. Mãos frias e extremamente fortes me tocando. Ela poderia quebrar meus ossos se quisesse. Mas não quis. Ela aproximou os lábios do meu ouvido e disse:

— Eu posso lhe proteger. Os vampiros vão lhe caçar. Mas eu posso lhe proteger. Apenas não diga nada do que aconteceu aqui. É um segredo só nosso, entendeu?

Antes que eu pudesse responder, outro vampiro surgiu na rua. Ele veio se aproximando com um andar silencioso. Esse vampiro tinha cabelos pretos e olhos azuis, diferente dos outros dois que eram ruivos e de olhos verdes.

— O que aconteceu aqui? — ele perguntou se referindo ao monte de cinzas. — Adan?

— Sim. — A vampira agora usava uma voz de pesar, como se estivesse chorando. — Os Nephilins o mataram.

— E como você escapou?

— Eu me escondi.

Ele olhou para a vampira como que duvidando de suas palavras. Mas, por algum motivo, resolveu não questionar.

— Se livra logo dela, Lilith. Precisamos voltar.

— Ela vai conosco. Vai ser minha escrava.

O vampiro me olhou como quem analisa um pedaço de carne, para ver se é de qualidade ou não.

— Ela não tem perfil de escrava, Lilith. Isso vai nos causar problemas.

— Desde quando você se importa com problemas?

— Eu não me importo. Mas o Lamon anda pegando muito no meu pé. Preciso dar um tempo com as confusões. E está bem óbvio que essa garota vai causar confusão.

— Ela vai ser minha. Eu assumo os riscos.

— Certo. Mas eu não vou me responsabilizar por isso. Se o Lamon descobrir, você que se entenda com ele.

— Ele não vai descobrir. Anda muito ocupado para se importar com uma escrava.

Eu poderia ter aproveitado esse bate-papo entre os vampiros para dar o fora dali. Mas a vampira continuava me segurando tão firme que era quase impossível eu conseguir me mover.

Ela começou a me arrastar e eu dei um grito. Ia usar todas as minhas forças para continuar a gritar quando algo me atingiu tão forte na cabeça que eu simplesmente apaguei.


Gostou? O livro Cidade dos Vampiros está à venda na Amazon através do link:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Menestrel - William Shakespeare

Resenha do livro O Conde de Monte Cristo

Resenha sobre o livro After (com spoiler)