24 de outubro de 2016

Resenha do livro Luzes Mortas




Luzes Mortas foi um livro que parou em minhas mãos por acaso. Eu conhecia o trabalho do Felipe Colbert através do livro Belleville, mas não sabia que antes o autor havia escrito livros em outro estilo, o romance policial. Há Entrevista Ininterrupta, Ponto Cego (onde conhecemos o protagonista deste livro, Daniel Sachs) e Luzes Mortas.

Daniel Sachs é um repórter em busca de sossego. Ele possui um passado que deseja esquecer e tudo o que quer é seguir adiante com sua vida ao lado de sua esposa, Nilla. No entanto, sua fama como repórter investigativo cruzou fronteiras e, sem que esperasse, certo dia ele foi procurado por um homem estrangeiro com uma proposta de trabalho tentadora.

O inglês Willcox é um homem misterioso, de poucas palavras, e bem determinado a convencer Daniel a aceitar sua proposta. Daniel queria recusar o trabalho, mas ele necessitava do dinheiro e a proposta era tentadora.  Com o apoio da esposa ele aceitou o desafio e embarcou com o inglês rumo à Pocklington, uma pequena cidade cheia de mistérios.

Ao chegar em Pocklington, Daniel conhece Jessica Child, uma mulher determinada a descobrir o mistério que gira em torno da morte de sua mãe, e que nunca ninguém chegou perto de desvendar. A única esperança que Jessica tem agora é que Daniel seja a pessoa que finalmente possa lhe trazer respostas.

O livro apresenta personagens interessantes. Cada um com características bem particulares e atitudes um pouco suspeitas, típico do romance policial. Felipe Colbert escreve cheio de técnica, ele amarra bem os acontecimentos e produz expectativas no leitor. Achei ótimo conhecer Luzes Mortas e espero em breve ler mais livros do autor.  

22 de outubro de 2016

Resenha do livro Sweet



Depois de ter lido Easy e Breakable, dei um tempinho para ler o terceiro livro da série Contornos do Coração. O livro ficou na lista de espera. Há três dias resolvi pegá-lo e... surpresa! Não consegui parar de ler! Simplesmente o Boyce Wynn me cativou. 

Boyce é aquele personagem por quem você sofre esperando que ele seja feliz. Filho de um alcoólatra que batia e xingava a esposa e os filhos, o garoto não teve uma infância fácil. Para piorar, sua mãe foi embora de casa e abandonou os filhos. Boyce foi praticamente criado pelo irmão adolescente. E para piorar mais ainda, Brent, o irmão de Boyce, morre no Iraque enquanto servia o país na Guerra. Então Boyce se viu sozinho com o monstro do pai.

O livro começa relando o momento da morte do pai de Boyce. É de estranhar a frieza com que o filho lida com tudo, mas no decorrer da história vamos compreendendo o quanto a vida de Boyce foi difícil ao lado do pai.

As duas coisas boas na vida de Boyce são: A oficina, onde ele trabalha como mecânico, coisa que ele adora fazer. E Pearl Frank, uma garota que ele conheceu ainda menina, quando ele a salvou de ser afogada no mar. Desde a infância, eles mantiveram uma amizade secreta, já que Pearl era a menina certinha e Boyce o garoto encrenca. Mas, para eles, Boyce era o salvador e Pearl a menina que sempre precisava ser salva. Ambos sempre foram apaixonados, mas nunca tiveram coragem de se declarar.

Quatro anos depois de ter ido embora para fazer faculdade, Pearl volta para a cidade que sempre amou. Ela e Boyce acabam se reaproximando e... Já sabe, né? Mas antes eles precisam acertar algumas coisas, avaliar bem o rumo que cada um está dando em sua vida, etc., etc. Sim, a história é clichê, mas Boyce Wynn é tão fofo que compensa. Recomendo.

Leia também outros livros da Tammara Webber:


19 de outubro de 2016

Resenha do livro Rich e Mad



A história de Rich e Mad aborda uma fase da vida muito delicada: a adolescência. Este livro talvez não encante as pessoas adultas, pois é escrito de forma a conquistar os jovens mesmo. Eu fiquei bem indecisa quanto a gostar ou não do livro. É muito adolescente, porém, eu não indico para adolescentes. 

Mad é uma jovem fofa. Não há problemas sérios com ela. É uma boa amiga, uma boa filha, uma boa irmã... No entanto, de uma hora para outra, decide que quer se apaixonar e arrumar um namorado. Escolhe até o rapaz a dedo. Tipo: Vou me apaixonar por este aqui e está decidido. É claro que a coisa não funciona. Ela se ilude, ela "acha" que está apaixonada. Ela sofre desnecessariamente. Uma confusão. Os sentimentos dela são bem típicos dessa fase da vida. Ela não sabe direito o que sente. 

Diante de toda a confusão criada na cabecinha de Mad, ela acaba se aproximando de Rich, que é apaixonado pela amiga de Mad (que não é tão amiga assim), e essa amiga não dá a mínima para ele. 

Vocês já devem ter adivinhado, até pelo título e capa do livro, que Rich e Mad se aproximam e meio sem querer acabam se apaixonando. 

Rich é um rapaz inseguro. Ele não é popular nem o mais bonito. Ele é carinhoso, gentil, inteligente... Mad vai percebendo isso aos poucos e o ajuda a enxergar essas qualidades, pois Rich se menospreza. Mas ele é fofo. Vale a pena conhecê-lo.

Um ponto positivo do livro foi abordar essas inseguranças dos adolescentes. Mad não se achava uma garota com um corpo sensual nem tão linda quanto à amiga. Rich também era inseguro quanto à aparência. E os dois, juntos, tiveram que descobrir a beleza e o valor deles.

O ponto negativo foi que Mad estava disposta a iniciar sua vida sexual quando nem ao menos tinha namorado. Ela começou a tomar pílulas e disse que estava pensando "para frente". Consequentemente, ela e Rich, assim que começaram a namorar, decidiram ter relações sexuais. Jovens demais, imaturos demais... Esse foi o motivo para eu escrever, lá no início, que não indicava esse livro para adolescentes. Porque Mad não pensava em outra coisa: queria perder a virgindade e ponto final. Acho que as coisas não devem ser bem assim...

Bom, Rich e Mad não é um livro sensacional. A história é simples, mas cativa um pouco. Uma leitura para um final de semana em que você queira relaxar a mente. 

18 de outubro de 2016

Primeiras impressões sobre Paixão sem Limites



Duas coisas me fizeram querer ler esse livro: A quantidade de leitores no Skoob e a sinopse.

Sempre que um livro é muito lido e resenhado no Skoob eu penso que o mesmo deve ser muito bom, o que nem sempre é verdade. Quanto à sinopse, eu gosto dessas histórias onde há um meio-irmão problemático e mal-amado, então a nova irmã se aproxima e tal... (lembrei da Ivy e Gregory da série Beijada por um anjo). Ou seja, a história tinha tudo para ser boa, mas...

O cara é muito promíscuo... Tipo, não dá para ler. A mocinha é muito tola... Tipo, não dá para aguentar. Então, abandonei o livro, coisa que não gosto nem um pouco de fazer. Não mesmo.

Ele a trata muito mal e ela é muito submissa, se humilha demais... Não dá. Não dá. Não dá.

Caso tenham interesse em conhecer mais sobre o livro, aqui está a sinopse:

Blaire Wynn não teve uma adolescência normal. Ela passou os últimos três anos cuidando da mãe doente. Após a sua morte, Blaire foi obrigada a vender a casa da família no Alabama para arcar com as despesas médicas. Agora, aos 19 anos, está sozinha e sem lugar para ficar. Então não tem outra escolha senão pedir ajuda ao pai que as abandonara. Ao chegar a Rosemary, na Flórida, ela se depara com uma mansão à beira-mar e um mundo de luxo completamente diferente do seu. Para piorar, o pai viajou com a nova esposa para Paris, deixando Blaire ali sozinha com o filho dela, que não parece nada satisfeito com a chegada da irmã postiça. Rush Finlay é filho da madrasta de Blaire com um famoso astro do rock. Ele tem 24 anos, é lindo, rico, charmoso e parece ter o mundo inteiro a seus pés. Extremamente sexy, orgulha-se de levar várias garotas para a cama e dispensá-las no dia seguinte. Blaire sabe que deve ficar longe dele, mas não consegue evitar a atração que sente, ainda mais quando ele começa a dar sinais de que sente a mesma coisa. Convivendo sob o mesmo teto, eles acabam se entregando a uma paixão proibida, sobre a qual não têm nenhum controle. Mas Rush guarda um segredo que Blaire não deve descobrir e que pode mudar para sempre as suas vidas.

9 de outubro de 2016

Resenha do livro O Inferno de Gabriel





"Então talvez agora não tivesse escolha, por já ter feito sua escolha antes. Quando ele lhe pediu sua mão e ela a estendeu sem questionar. No instante em que Gabriel a tocou, Julia soube que pertencia a ele. Desde então, ele sempre havia estado ali, nas sombras, como um fantasma que se recusava a ir embora. E agora o fantasma tinha decidido que a queria. Mas Julia acreditava que ele nunca, nunca iria amá-la".

O Inferno de Gabriel é o primeiro livro de uma trilogia que fez sucesso por "imitar" Cinquenta Tons de Cinza. Não li Cinquenta Tons de Cinza, mas conheço a história (Quem não conhece?) e posso dizer que isso foi apenas marketing, as semelhanças são mínimas e você pode ler O Inferno de Gabriel sem ficar chocado. E não há cenas eróticas, já adianto.

Gabriel Emerson é um professor universitário especialista em Dante. Ele é um homem sério e enigmático, e seus alunos o temem por isso.

Julia Mitchell é aluna de mestrado na universidade de Toronto. Ela pretende basear sua tese em Dante, por isso se matricula na disciplina que Gabriel leciona e espera que ele a oriente. Mas o início de suas aulas na turma dele não é assim tão fácil. Ela conquistou a antipatia de Gabriel logo de cara e ele resolve não facilitar a vida dela como aluna. É até cômico.

A situação só começa a mudar quando a irmã de Gabriel vai visitá-lo. Ele descobre que sua irmã e Julia são melhores amigas. Elas se tornaram amigas inseparáveis na época em que Gabriel tinha saído de casa para fazer faculdade, por isso ele não teve contato com Julia. Quer dizer, eles tiveram contato apenas uma vez, mas Gabriel não consegue se lembrar. No entanto, Julia lembra desse momento com clareza, inclusive ela se apaixonou por Gabriel nesse momento. Mas agora, anos depois, a situação é bem diferente.

A irmã de Gabriel é uma jovem desinibida. Ela faz questão que o irmão saia junto com ela e Julia e pede que o irmão pare de implicar com Julia por ela ser sua aluna.

Gabriel sente uma forte atração por Julia, mas pelo fato dela ser sua aluna e uma jovem sensível e pura (definição do autor), ele não permite ter nenhum relacionamento físico com ela. Eles começam a se aproximar mais, percebem que estão apaixonados, se envolvem um pouco mais que a relação professor/aluna permite, mas são cautelosos com a situação, pois um não quer prejudicar o outro.

Gabriel acha que Julia não merece um homem como ele por seu passado negro. Ele acha que vai fazê-la sofrer e que ela merece alguém com uma vida mais simples, sem os fantasmas do passado. Julia é apaixonada por ele desde os 17 anos, quando aconteceu aquele primeiro encontro. Ela está disposta a enfrentar todos esses fantasmas para ficar ao lado de Gabriel.

Bom, o que dizer da história?

Eu gostei. Achei que o suspense em torno do passado de Gabriel  faz o leitor se prender à história. Há sedução sem sexo, e Gabriel respeita Julia. (Embora eu tenha achado que o cuidado dele com ela lá para o final do livro tenha se tornado exagerado demais. Tudo que é demais enjoa, né?).

Os outros dois livros, não sei quando vou ler. Mas, se você se interessou, a trilogia é:

1. O Inferno de Gabriel
2. O Julgamento de Gabriel
3. A Redenção de Gabriel


“Eu estava particularmente atraído pela maneira com que a literatura ajuda a explorar aspectos da condição humana, particularmente o sofrimento, sexo, amor e redenção. Também me interesso em usar elementos estéticos, como a arte, arquitetura e música para contar uma história ou ilustrar alguns traços de caráter.” Sylvain Reynard (autor do livro).

Outros livros de Sylvain Reynard:

A série Noites em Florença:

1. A Transformação de Raven
2. A Sombra do Passado

Os demais livros ainda serão publicados. Há um livro que apresenta os personagens dessa série, que é:

O Príncipe das Sombras