18 de novembro de 2017

Resenha do livro As Violetas de Março


Sarah Jio é uma escritora por quem já tenho um certo carinho. Sua escrita é sensível e suas histórias de amor comoventes. As Violetas de Março estava guardadinho na minha estante só esperando pela oportunidade de ser lido. E essa oportunidade veio quando ele foi escolhido em um dos grupos de leitura do qual faço parte para ser o livro do mês. 

Emily Taylor é uma escritora que fez bastante sucesso com o seu primeiro livro. No entanto, após isso, o bloqueio veio e ela não conseguiu escrever mais nada. Emily estava passando por um momento difícil, pois estava se divorciando. E para curar seu coração ferido ela decide passar algumas semanas em Bainbridge - a ilha onde passava os verões quando era menina.

Hospedada na grande casa de praia de sua tia Bee, Emily encontra no quarto um antigo diário e começa a lê-lo com bastante interesse. Sua curiosidade em torno da história aumenta ainda mais quando ela descobre que a história relatada envolve sua família e um grande segredo envolve seus antepassados e os antigos habitantes da ilha. 

Emily reencontra um ex-amor da adolescência e um novo homem por quem seu coração começa a bater mais forte. Emily precisa encontrar o equilíbrio entre as emoções do passado, presente e o futuro que lhe aguarda. E para isso ela precisa abrir a mente e o coração para o amor e o perdão.

Sarah Jio mais uma vez envolve o leitor em uma história cheia de drama e com personagens misteriosos e intrigantes. O livro nos traz reflexões sobre a vida, o tempo que desperdiçamos com sentimentos e atitudes cheias de impulso que nos levam a escolhas inadequadas. 

Recomendo a leitura e indico também os demais livros dela.

Conheça: O bangalô.

Resenha do livro Inventei Você?


Quando me deparei com esse livro senti uma imensa vontade de conhecer a história, pois esquizofrenia é um tema que eu acho muito interessante.  E, de fato, foi interessante conhecer de forma leve e até mesmo bem-humorada a vida de uma personagem tão simpática quando Alex.

Alex é uma garota passando pelas mesmas dificuldades de qualquer jovem que esteja terminando o ensino médio e ingressando na faculdade. Mas, Alex tem uma dificuldade a mais: agir com naturalidade na escola para que ninguém perceba que ela é esquizofrênica. Para isso Alex toma o maior cuidado de não sair conversando com todo mundo e ela também desenvolveu um método bem eficiente: fotografa tudo o que acha de estranho ou interessante. Depois ela percebe através da fotografia se aquilo realmente existe ou não. 

Na infância, Alex conheceu um menino que considerou como um grande amigo, mas ela nunca soube se ele era real ou não. Anos mais tarde ela o reencontra, agora rapaz e completamente diferente do menino que ela conheceu, exceto pelos exuberantes olhos azuis. Seu nome era Miles, um rapaz problemático e que adorava tirar Alex do sério. No entanto, eles possuíam uma ligação muito forte, e a mesma só aumentou quando Alex descobriu que Miles também se lembrava da menina que ela era.

Mesmo se metendo em muitas confusões e arrumando algumas inimizades na escola, com o apoio de Miles, Alex consegue ir em frente dia após dia. No entanto, uma descoberta muito triste faz com que Alex entre em crise e passe a questionar tudo o que ela considerava real. É emocionante poder entrar na mente de Alex e imaginar como deve ser o seu mundo: uma incerteza constante. Alex teme que as pessoas que ela mais ama exista apenas na sua imaginação. E nós, leitores, sofremos junto com ela com receio de que toda a história não passe de uma grande ilusão. 

Leitura mais que recomendada para o público jovem. 

Conheça também:  Rich e Mad