Resenha do livro A Desconhecida

24 de outubro de 2017


Olá, apreciadores da leitura!

A resenha de hoje é sobre um livro que estava aqui na minha estante há muito tempo e eu o peguei por acaso e comecei a ler. 

Vou resumir a história: 

George teve uma namorada na faculdade, uma garota por quem se apaixonou assim que a viu. Após o primeiro semestre da faculdade, onde eles viveram um belo romance, eles foram de férias para casa. Ela não manteve contato com ele durante toda as férias, o que ele achou estranho. E, quando as aulas recomeçaram, George descobriu que a namorada tinha se matado. Ele achou meio sem sentido ela se matar e viajou até onde ela morava para descobrir mais sobre a história. Acabou descobrindo que ela foi para a faculdade se passando por outra pessoa. Ela assumiu a identidade de Audrey. A verdadeira Audrey que tinha se matado. E Liana, como tinha assumido a identidade dela e para todos na faculdade ela tinha se matado, não podia mais voltar.

20 anos se passaram e George continuava apaixonado por Liana. Mesmo tendo tido outros relacionamentos, ele não esquecia a tal ex-namorada da faculdade. Então, 20 anos depois, ela reaparece e pede um favor a ele. Ao prestar esse favor, ele se envolve em uma fria. E o restante da história é ele tentando provar para a polícia que não teve nada a ver com o que aconteceu e ao mesmo tempo ele continuava meio apaixonado pela mulher que só o prejudicava, e ainda tentava salvar a pele dela. Dá um pouquinho de impaciência ler sobre um personagem tão sem personalidade. Mas é um livro que recomendo. 

Dicas de leitura: 


Resenha do livro Deuses Americanos

12 de outubro de 2017


Primeiro livro de Neil Gaiman que leio. Ele não estava na minha lista de autores. Meu contato com Deuses Americanos se deu por conta da leitura em conjunto em um clube de leitura on-line. 

Conhecer essa obra do autor foi uma experiência boa. Tirando algumas cenas estranhas, Deuses Americanos é um bom livro.

Shadow é um presidiário prestes a voltar para casa. Não se enganem pelo fato dele ser presidiário, pois nunca vi um rapaz com um coração tão nobre. E foi justamente por isso que foi preso. Por não saber dizer não. Shadow é muito passivo. Essa característica dele pode até irritar a alguns leitores, mas não a mim. Achei ele um fofo. 

A saída de Shadow da prisão estava com os dias contados e tudo parecia ir muito bem. Mas até o próprio Shadow duvidava desse fato. As coisas pareciam ir bem demais. No entanto, assim que pôs os pés fora da prisão, as coisas foram tomando rumos inesperados. 

Um novo personagem surge, conhecido como o Wednesday, e a vida de Shadow se transforma por completo. Shadow, aos poucos, vai conhecendo os deuses, seres que ele jamais pensou existir. E esses deuses nada mais são que as coisas que os seres humanos "adoram". Tem deus para tudo.

Laura, a esposa de Shadow, é uma personagem com um papel bem importante durante toda a história. Ela comete muitos erros, mas, ao mesmo tempo, é a principal protetora de Shadow diante dos perigos que ele passa a correr. Ela reconhece o coração bondoso do marido: "Você brilha como um farol em um mundo tomado pela escuridão". 

Espero conhecer outros livros do Neil Gaiman em breve. Foi interessante a leitura.

Sinopse

Deuses americanos é, acima de tudo, um livro estranho. E foi essa estranheza que tornou o romance de Neil Gaiman, publicado pela primeira vez em 2001, um clássico imediato. Nesta nova edição, preferida do autor, o leitor encontrará capítulos revistos e ampliados, artigos, uma entrevista com Gaiman e um inspirado texto de introdução.
A saga de Deuses americanos é contada ao longo da jornada de Shadow Moon, um ex-presidiário de trinta e poucos anos que acabou de ser libertado e cujo único objetivo é voltar para casa e para a esposa, Laura. Os planos de Shadow se transformam em poeira quando ele descobre que Laura morreu em um acidente de carro. Sem lar, sem emprego e sem rumo, ele conhece Wednesday, um homem de olhar enigmático que está sempre com um sorriso no rosto, embora pareça nunca achar graça de nada.
Depois de apostas, brigas e um pouco de hidromel, Shadow aceita trabalhar para Wednesday e embarca em uma viagem tumultuada e reveladora por cidades inusitadas dos Estados Unidos, um país tão estranho para Shadow quanto para Gaiman. É nesses encontros e desencontros que o protagonista se depara com os deuses — os antigos (que chegaram ao Novo Mundo junto dos imigrantes) e os modernos (o dinheiro, a televisão, a tecnologia, as drogas) —, que estão se preparando para uma guerra que ninguém viu, mas que já começou. O motivo? O poder de não ser esquecido.
O que Gaiman constrói em Deuses americanos é um amálgama de múltiplas referências, uma mistura de road trip, fantasia e mistério — um exemplo máximo da versatilidade e da prosa lúdica e ao mesmo tempo cortante de Neil Gaiman, que, ao falar sobre deuses, fala sobre todos nós.

Desafio literário: Os olhos do dragão

11 de outubro de 2017

Nunca li nada do Stephen King. E, para ser honesta, não tenho vontade de ler. Embora muitas pessoas que conheço, e que são fãs de seus livros, garantam que não se trata apenas de terror. Sem dúvidas, com os títulos e a quantidade de leitores, ele deve ser um baita escritor. No entanto, ainda tenho o pé atrás em conhecer suas obras. Puro medo mesmo! 

Mas, um dos clubes literários on-line dos quais participo lançou um desafio: Os olhos do dragão. Por não ser terror, topei. Espero não me decepcionar.

Sinopse

Em Delain, um reino muito distante, viviam o rei Roland e seus dois filhos, Peter e Thomas. Roland não era exatamente o que se esperava de um rei. Apesar de se esforçar para não prejudicar seu povo, não conseguia realizar grandes feitos. Enquanto teve a seu lado a rainha Sasha, as coisas ainda corriam bem. Sasha preocupava-se com os habitantes de Delain e dava conselhos decisivos a Roland. Sua bondade conquistou o povo, mas alimentou o ódio de um perigoso inimigo — Flagg, o feiticeiro do reino.
Um dia, de forma súbita e suspeita, a rainha morreu. Mas Flagg ainda não se dava por satisfeito. Tinha planos para dominar Delain e, para isso, precisava eliminar todos que estivessem em seu caminho. Para começar, era preciso livrar-se do tolo Roland, depois afastar o jovem Peter e levar ao trono o pequeno Thomas — que Flagg tinha a certeza de conseguir controlar.
Com a habilidade de sempre, Stephen King constrói um conto de fadas fascinante que envolve príncipes amaldiçoados e um feiticeiro demoníaco. Na batalha entre o bem e o mal, a vida de um reino repousa nas mãos de dois jovens, que terão de superar obstáculos para conquistar o direito à justiça e verão sua coragem ser duramente testada. Nesse jogo eletrizante de armações, manipulações e magia, apenas um lado sairá vencedor.

Quando eu ler, volto para dizer o que achei.

Não me esqueças

10 de outubro de 2017

Pesquisando por aí encontrei esse livro e logo gostei da sinopse. É um livro nacional, da autora Babi A. Sette, publicado este ano pela Verus Editora. A autora tem outros livros publicados, inclusive já ouvi falar maravilhas de um livro dela chamado Senhorita Aurora. Espero ter a oportunidade de, em breve, ler os livros dela.

Sinopse


Em um cenário de contos de fadas, Babi A. Sette convida o leitor a mergulhar em um mundo novo, repleto do encantamento que somente um amor de almas gêmeas pode realizar

Aos vinte e um anos, Lizzie deveria estar empenhada em fisgar um noivo e finalmente se casar. Entretanto, após uma decepção amorosa, o coração da jovem só palpita por sua grande paixão — os estudos sobre o povo e a cultura celtas. Esse interesse faz com que ela troque os concorridos salões de baile de Londres pelas estradas desertas e sinuosas das Highlands escocesas. 
Ali, ela conhecerá Gareth, o enigmático líder do clã que vive no local mais remoto e bucólico da Escócia. Envolto em uma aura de mistério, ele luta para manter suas tradições, seus segredos e, principalmente, seu povo em segurança.
Enquanto o austero Gareth tem a vida toda sob controle e resiste a mudanças, Lizzie está muito entusiasmada com suas explorações e descobertas. Porém a vida de ambos é alterada de maneira inexorável quando uma fatalidade transforma a tão sonhada aventura de Lizzie em pesadelo.
Vindos de mundos tão diferentes, mas unidos por uma atração irresistível, Lizzie e Gareth vivem uma paixão proibida e desafiadora, sem saber que finalmente poderão encontrar aquilo que só ousavam buscar em sonhos.


E aí, gostaram? Quem leu me conta o que achou.