28 de junho de 2018

Resenha do livro O Morro dos Ventos Uivantes


O primeiro contato que tive com essa história foi em 2003, através do filme. Assisti a versão de 1992. A mais recente é de 2011. Foi uma história que me encantou. No entanto, li o livro apenas este ano. 

A leitura é prazerosa. Eu vejo muitos comentários nos grupos de leituras de pessoas que não gostaram do livro, mas eu curti. É um clássico da literatura inglesa e merece estar nesse patamar.

Fiquei surpresa no início da história com o toque de humor com que tudo é narrado. Estava acostumada com o temido Heathcliff, e, de fato, ele é um pouco assustador, mas no início da história, dá até para dar risada.

Heathcliff era um garoto quando foi levado para a casa da família Earnshaw. Em uma de suas viagens, o Sr. Earnshaw volta para casa trazendo o garoto. Em nenhum momento do livro, a origem de Heathcliff é revelada. Só fica claro, que ele se torna o "filho favorito" do Sr. Earnshaw, o que provoca ciúmes em Hindley, o filho legítimo. E o mesmo passa a maltratar Heathcliff.

Por outro lado, a outra filha de Earnshaw, Catherine, se afeiçoa muito ao garoto e ambos se tornam amigos inseparáveis. À medida que crescem, os sentimentos entre eles se intensificam. Heathcliff ama Catherine, mas esse sentimento não desperta atitudes boas nele quando Heathcliff é rejeitado por ela. Catherine decide casar-se com Edgar Linton, pois ele tem melhores condições de vida, tem renome, ao passo que Heathcliff não passa de um empregado sem família. 

Heathcliff desaparece por um tempo, quando retorna está bastante rico. Assim como sua origem foi um mistério, sua riqueza também. Agora que tem certos privilégios, ele passa a se vingar de todos. E isso inclui prejudicar também os familiares das pessoas que ele odeia. Muita gente acaba sendo vítima dos sentimentos doentios de Heathcliff. Até a geração seguinte é prejudicada.

A história é interessante de ler. Podemos refletir sobre algumas coisas, principalmente sobre a vingança, sobre nutrir sentimentos e pensamentos negativos. Querer devolver na mesma moeda o que nos fizeram. Todos sofreram com a vingança de Heathcliff, mas ele foi o mais infeliz.

Leia também: O sol também se levanta.

13 de junho de 2018

Primeiras impressões sobre o livro No Ritmo do Amor


Brittainy C. Cherry é uma autora que passei a gostar depois de ler Sr. Daniels. Também li a série Elementos. E agora, No Ritmo do Amor é o primeiro livro de uma nova série: Music Street.

"Para toda alma que já se perdeu.
Que sua música favorita a leve de volta para casa."

O primeiro capítulo começa com Jasmine, uma garota de 16 anos, relatando as rejeições que já sofreu ao tentar ingressar na indústria musical. Ela ama a música, mas a ideia de ser famosa é mais um sonho de sua mãe do que dela própria. E por isso a mãe de Jasmine a faz estudar canto, praticar balé... qualquer coisa que envolva arte musical. A mulher era tão focada nesse objetivo que considerava até a escola como uma distração para Jasmine. 

Jasmine vivia sufocada pelas exigências da mãe. Sua vida estava um tédio, mas certo dia, enquanto ia para a aula de canto, sua vida estava prestes a mudar. Um garoto tocando saxofone chamou sua atenção. "Ele tocava como se expressasse extrema angústia nas ruas de Nova Orleans. Não se reprimia, dava o máximo em sua música. Naquele instante, percebi que nunca dei tudo de mim para nada - pelo menos não como ele, nem daquele jeito." E o mais interessante, é que ela conhecia o garoto. Era Elliott. Ele estuda na mesma escola que Jasmine e é um rapaz extremamente tímido.

Outro personagem que também se destaca logo no início da história é Ray, namorado da mãe de Jasmine. Ele é músico e é um homem bonito e carismático. Ele e Jasmine se dão muito bem. O curioso é que, perto dele, a mãe de Jasmine se torna amorosa e trata a filha com bastante carinho e, longe dele, ela só critica Jasmine. Mesmo assim, nem sempre ela consegue manter a máscara e discute com Ray quando ele se intromete na maneira como ela educa a filha. O relacionamento entre Ray e Heather é complicado, mas, por amor a Jasmine, ele suporta os obstáculos e procura manter a família. 

Eu fiquei com vontade de ler mais. Espero fazer isso em breve. 

Leia também: Sr. Daniels

Vejam a sinopse de No Ritmo do Amor

Duas almas atormentadas unidas por uma grande paixão.

A linda e encantadora Jasmine Greene nasceu para brilhar. Cantora nata, ela cresceu sabendo que tinha vindo ao mundo para ser famosa, pois sua mãe — uma artista frustrada que concentrava na filha todas as suas expectativas — não a deixava se esquecer disso um minuto sequer. A vida da jovem de 16 anos se resume a estúdios, aulas de dança e canto e a inúmeros testes para ser o grande nome da música pop. Ela não tem tempo nem de ir à escola, é educada em casa e sofre com a rotina atribulada. 
Para Jasmine, o pior de tudo é não poder cantar soul, sua paixão.

Mas ela não reclama, porque, na verdade, seu maior sonho é fazer com que a mãe tenha orgulho dela. Elliott Adams é uma alma atormentada. Para ele, cada dia é uma batalha a ser vencida. O rapaz tímido, humilde e franzino sofre bullying na escola por causa de sua aparência e por ser gago. Mas ele é mais forte do que imagina e encontrou em seu saxofone uma válvula de escape. Tira todas as suas forças dos acordes de Duke Ellington, Charlie Parker e Ella Fitzgerald, seus maiores ídolos. 

Quando Jasmine finalmente consegue a permissão da mãe para frequentar a escola pela primeira vez na vida, sente que ganhou na loteria. Adora estar cercada de pessoas da sua idade, que vivem os mesmos dilemas e questionamentos... ela só odeia ver o garoto mais encantador que já conheceu na vida sofrer na mão dos valentões e fará tudo o que estiver ao seu alcance para mostrar a Elliott que ele não está sozinho. Aos poucos, esses dois jovens sofredores irão descobrir que têm muito mais em comum do que o amor pela música. Mas será que vão superar as reviravoltas que o destino preparou para eles?

11 de junho de 2018

Primeiras impressões sobre o livro Imbatível


Hoje está sendo lançado o livro Imbatível. Um livro escrito em parceria entre os autores Stuart Reardon e Jane Harvey-Berrick. 

A história começa com Nick Renshaw relatando sua paixão pelo Rugby, mais precisamente suas cicatrizes causadas pelo esporte. Dá para perceber que ele se dedica de corpo e alma à carreira.

No primeiro capítulo Nick está prestes a tomar uma decisão sobre sua vida amorosa. Ele tem 26 anos e namora Molly a três. É um homem bem-sucedido profissionalmente e quer estender isso à vida pessoal também. No entanto, seu melhor amigo, Kenny, se mostra relutante sobre a decisão de Nick.

Nick se prepara para a sua última partida com aquele time, pois ele acabara de ser contratado por um grande clube. Por causa de sua agilidade e força em campo, ele era conhecido pelo apelido de "O Foguete" e se destacava em um time que não estava em seu melhor momento, pois estavam perdendo partida após partida. E nesse último jogo não estava sendo diferente. E tudo só piorou quando Nick sentiu uma forte dor na panturrilha e mal conseguia pisar no chão. Ele saiu de campo. Queria ter feito melhor após 8 anos jogando nesse time. Mas, pior que isso foi a forte suspeita de que havia rompido o tendão de Aquiles, o que poderia acabar de vez com a sua carreira. 

A história parece ser interessante. Vou dar continuidade quando surgir a oportunidade. Mas confesso que tenho uma lista de livros na frente. 

Vejam a sinopse:

Uma história sobre superação e amor.

Para Nick Renshaw, o rugby é a coisa mais importante de sua vida — mais importante até do que sua namorada, Molly. Seu empenho e sua determinação fizeram dele o garoto de ouro do rugby inglês e garantiram um contrato com um importante clube. E ele não consegue imaginar o que seria de sua vida sem isso.
Então, quando sofre uma grave lesão que pode significar o fim de sua carreira, Nick vê seu mundo desmoronar. Como se não bastasse ter a vida profissional abalada, ele ainda é abandonado e traído pelas pessoas que mais ama.
Sozinho e sem rumo, Nick está lutando com todas as suas forças para recomeçar do zero. Mas há alguém que parece capaz de ajudá-lo: Anna Scott, sua psicóloga. O problema é que nenhum dos dois consegue negar a atração que sente pelo outro — e manter a relação estritamente profissional se torna mais difícil a cada dia que eles passam juntos.
No entanto, quando o passado de Nick volta para assombrá-los, desistir parece o caminho mais fácil para os dois. Mas será que, depois de tantos golpes do destino, eles conseguirão se reerguer e se tornar imbatíveis?

Veja também: O ar que ele respira.

9 de junho de 2018

Promoção: Ganhe a revisão do seu livro! Parte II



Olá, apreciadores da leitura!


Resolvi fazer uma promoção diferente no blog. Alguns de vocês já estão acostumados com sorteios de livros. Já cheguei a sortear livros todo mês por aqui. Agora o prêmio será algo diferente. Algo voltado para os escritores nacionais.


Gosto e aprecio a literatura nacional. E por isso, somente por isso, resolvi dar um presente para os escritores: a revisão do seu livro inteiramente grátis!


Isso mesmo. Para participar é bastante simples: basta colocar nome e e-mail nos comentários abaixo e seguir o blog publicamente.


No dia 11 de junho de 2018, às 17h, farei o sorteio, entrarei em contato com o vencedor através do e-mail informado e vamos conversar mais sobre os detalhes.


Veja como foi a primeira parte dessa promoção clicando neste link


Boa sorte!!!

Resultado

Queridas, deixem-me explicar: acabei fazendo o sorteio às 17h no horário MS (que é o meu). No sorteador saiu às 18h (que é o horário de Brasília).

Tivemos 3 partipantes. Não sei porque as pessoas ficaram tão tímidas para participar, já que esse post teve quase 100 visualizações. 

A numeração foi de acordo com a ordem dos comentários e o número sorteado foi o: 

3

Michelle Paranhos de novo!!!

Está aqui o link do sorteio. 

7 de junho de 2018

Resenha do livro É Assim que Acaba


Nem sei como falar sobre esse livro. Simplesmente mais uma vez Colleen Hoover conseguiu me surpreender com suas histórias. Em abril, escrevi as primeiras impressões sobre É Assim que Acaba e eu disse que voltaria aqui para contar para vocês quando tivesse lido. Então, eu li. 

No início do livro, quando a personagem principal, Lily, conhece Ryle, o médico pelo qual futuramente se apaixona, ela menciona que a sua "primeira vez" foi com um mendigo com quem teve uma espécie de namoro quando era adolescente. Atlas era o seu nome. Mas, na verdade, a história de Atlas é mais interessante do que se pensa. Ele não foi apenas um namorado do passado. Houve muito mais que isso na história dos dois. Por isso que quando ele aparece na história, a vida de Lily sofre um abalo.

Ryle era o cara bonito, atraente, um médico bem-sucedido e que não queria compromisso com nenhuma mulher. Mas, quando Lily mais uma vez cruzou em seu caminho, ele percebeu que se apaixonar poderia não ser tão ruim assim.

A partir de agora, eu vou dar um pouquinho de spoiler. Não vou revelar o final, mas vou abordar o tema principal da história de forma um pouco detalhada. Se você é o tipo de pessoa que não gosta desse tipo de informação, sugiro parar a leitura por aqui. 

O tema principal do livro é a violência doméstica. A mãe de Lily sofria com a violência doméstica. E Lily prometeu para si mesma que jamais permitiria que um homem a machucasse fisicamente.

No entanto, quando ela estava namorando Ryle, em um momento que houve um mal-entendido bobo, ele a empurrou e a machucou. A partir daí começa o dilema da personagem. Ryle se arrependeu profundamente e prometeu não mais perder o controle. Lily reconheceu que ele não era uma pessoa má e violenta, e o perdoou. E aí, nós já conhecemos essa história, não é? Ele voltou a cometer o mesmo erro. 

Como Colleen Hoover é uma autora que trata esses temas polêmicos de maneira ampla e profunda, ela fez com que a personagem nos desse muito o que refletir. Há um momento em que Lily diz que está magoada, triste, incapaz de perdoar, mas o erro que o agressor comete não faz com que o amor acabe de uma hora para outra. Ela enfatiza os momentos bons. Os muitos momentos bons que viveu. E, em um determinado momento, ela chega a se questionar se esses momentos bons não superariam os momentos "ruins"? É um conflito. 

O mais legal de tudo, após ler o livro, foi ler a nota que a autora escreveu no final. Se você é do tipo que não lê essas notas, sugiro que leia a desse livro. Vai lhe dar mais compreensão sobre a história.

É Assim que Acaba é um livro que vai lhe deixar de queixo caído em alguns momentos. Você vai sofrer junto com a personagem. Você vai compreendê-la. E você vai ampliar a sua visão a respeito do tema violência doméstica.

É um livro que recomendo e muito.

Leia também: Minta que me ama.

Conheça mais sobre os livros da Colleen Hoover aqui

6 de junho de 2018

Primeiras impressões sobre Mindhunter


Comecei a ler esse livro por conta de um desafio literário. Mas, foi tanta gente dizendo que a história era muito forte, que fiquei nas primeiras páginas mesmo e não prossegui com a leitura. Quem sabe mais para frente? 😊

A história é autobiográfica, narrada por John Douglas, um agente especial do FBI. No início, há uma cena de tortura, depois ele pega mais leve e fala sobre a sua juventude. Há até uma ceninha engraçada. E há também informações bem interessantes, já que ele entrevista alguns assassinos em série. É um livro gostoso de ler, a leitura flui bem, mas saber que as cenas foram reais, me causou um pouco de arrepio. Haja estômago! Deixo vocês com a sinopse, pois não sei se vou concluir essa leitura.

Sinopse

Em detalhes assustadores, Mindhunter mostra os bastidores de alguns dos casos mais terríveis, fascinantes e desafiadores do FBI.

Durante as mais de duas décadas em que atuou no FBI, o agente especial John Douglas tornou-se uma figura lendária. Em uma época em que a expressão serial killer, assassino em série, nem existia, Douglas foi um oficial exemplar na aplicação da lei e na perseguição aos mais conhecidos e sádicos homicidas de nosso tempo. Como Jack Crawford em O Silêncio dos Inocentes, Douglas confrontou, entrevistou e estudou dezenas de serial killers e assassinos, incluindo Charles Manson, Ted Bundy e Ed Gein.

Com uma habilidade fantástica de se colocar no lugar tanto da vítima quando no do criminoso, Douglas analisa cada cena de crime, revivendo as ações de um e de outro, definindo seus perfis, descrevendo seus hábitos e, sobretudo, prevendo seus próximos passos.

Com a força de um thriller, ainda que terrivelmente verdadeiro, Mindhunter: o primeiro caçador de serial killers americano é um fascinante relato da vida de um agente especial do FBI e da mente dos mais perturbados assassinos em série que ele perseguiu. A história de Douglas serviu de inspiração para a série homônima da Netflix, que conta com a direção de David Fincher (Garota Exemplar e Clube da Luta) e Jonathan Groff, Holt McCallany e Anna Torv.

Resenha do livro Restaura-me


Li a trilogia Estilhaça-me entre 2012 e 2014. Lembro que fiquei encantada com a leitura. A autora tem um jeitinho muito especial de escrever e eu me encantei. No desenrolar da trilogia, não gostei muito de algo que a autora fez com um dos personagens, mas não deixei de apreciar a leitura por causa disso.

Quando eu vi este ano que a autora resolveu dar continuidade à série, fiquei muito feliz; mas, ao começar a ler o livro...

Talvez eu tenha amadurecido um pouco em relação à vida de leitora de 2014 para cá, pois a leitura não me viciou, como ocorreu há 4 anos.

Esse é um risco que o autor corre de mexer em algo que já tinha se encerrado muito bem. Mas, vamos com calma, afinal, ainda temos mais dois livros pela frente. Isso mesmo, a série ficará com 6 livros.

Vamos falar sobre Restaura-me:

No início do livro todos os personagens estavam um pouco perdidos. Senti falta da Juliette letal. No lugar dela, há uma menina um tanto desorientada. Tudo bem, se tornar a Comandante Suprema de uma hora para outra não deve ser nada fácil. Ela precisaria muito do apoio do Warner. E ele a apoia, mas não a prepara. Há desafios demais para Julliette, ela precisaria estar a par de muitas coisas, mas, por temer revelar seu passado obscuro, Warner se fecha. Eu senti muita falta do Warner poderoso e imponente. Ao invés disso há um rapaz muito confuso, preocupado com o que a Juliette vai achar dele. O Adam está inseguro e muito ausente nesse livro. A autora quase o esqueceu. Kenji é o único que não sofreu mudanças. Continua sem noção e engraçado. Só que menos engraçado.

Outra coisa que senti falta foi da química entre Warner e Juliette. Há cenas românticas, mas elas não me convenceram muito. Juliette passa muito tempo reclamando que Warner esconde as coisas dela, mas eles estão juntos não tem nem um mês! Claro que não dá para conhecer o passado inteiro dele nesse tempo.

Enfim, também não engoli o fato de que Warner, Adam e Kenji passaram por um treinamento militar muito rigoroso, mas como eles baixam a guarda nesse livro, hein?

Então, detestei o livro? Não. Jamais. Recomendaria? Sim. Pois a história em si é legal. Por ter tido uma pausa um pouco longa entre as publicações, parece um recomeço. Acredito que os próximos livros serão bem legais. O final deixou gostinho de quero mais, pois muita coisa vai ser explicada sobre o passado de Juliette.

Conheça mais sobre a série Estilhaça-me aqui.

Leia também: Fragmentados.

2 de junho de 2018

Resenha do livro O Último Reino


O Último Reino é o primeiro livro da série Crônicas Saxônicas. É o quarto livro de Bernard Cornwell que leio, os três primeiros foram da trilogia As Crônicas de Artur. 

Em O Último Reino conhecemos Uhtred, um ealdorman de Bebbanburg (só lendo Cornwell para entender mesmo. Mas, vou simplificar, prometo. Rsrs). Uhtred é um jovem de bom nascimento. A história dele começa a ser descrita ainda na infância, como ganha seu nome, como se tornou o único filho... A época era marcada por guerras e o pai de Uhtred, não diferente dos demais, treinava os filhos para serem guerreiros. Uhtred foi a guerra pela primeira vez aos 9 anos. E nunca mais deixou de ir

Como a série é longa (por enquanto, 10 livros), há muitos personagens e cada qual desempenha papéis importantes ao longo da narrativa.

Beocca é um sacerdote que viu Uhtred nascer. Ele o acompanha durante um bom tempo de sua vida. Primeiro, ao lado de seu pai, e depois, Beocca passa a servir ao rei Alfredo, mesmo assim está sempre presente na vida de Uhtred. As cenas entre ele e Uhtred são relatadas com humor. Mas também há sabedoria: "Você precisa ter fé. Os milagres tornam a fé uma coisa fácil, por isso você nunca deve rezar para ver um. É muito melhor encontrar Deus através da fé de que através dos milagres" Beocca.

Ainda criança, Uhtred é raptado por um dinamarquês, Ragnar. No entanto, Ragnar se afeiçoa ao menino e ao invés de ser tratado como um prisioneiro, Uhtred é tratado como um filho. Enquanto vive entre os dinamarqueses, Uhtred aprende a viver de um modo muito livre, sem regras, sem obrigações. Ele já não era muito dedicado aos estudos nem ao cristianismo, por isso se adapta fácil ao modo viking de viver. A relação entre Ragnar e Uhtred é tão forte que, mais tarde, o jovem assume o nome de Uhtred Ragnarson.

Ragnar é um guerreiro experiente. Ensina muitas coisas a Uhtred. E à medida que vai crescendo, Uhtred se torna terrível. "Inicie seus matadores ainda novos, antes que a consciência deles cresça. Inicie-os novos e eles se tornarão letais". Esse quote descreve bem o jovem Uhtred.

Brida foi uma garota que Ragnar também raptou. Ela era como Uhtred, gostava do caos e se adaptou rápido aos dinamarqueses. Ela foi a primeira garota de Uhtred. Mas eles eram mais amigos que amantes. O verdadeiro amor, Uhtred só conheceria mais tarde.

No entanto, Uhtred é mais apaixonado pela guerra do que qualquer outra coisa. E a primeira parede de escudos dele não foi em uma grande batalha, e sim em uma briga por gado. Mesmo assim foi onde ele conquistou respeito, por lutar bem.

"Lutar ao lado de um homem numa parede de escudos cria um laço tão forte quanto o amor" Uhtred.

Alfredo era um rei muito devoto ao cristianismo. Essa era a principal rivalidade entre ele e Uhtred. Uhtred se transformou em um grande guerreiro, mas não se tornou digno da confiança de Alfredo por não ser cristão. Mesmo assim, os dois trabalharam juntos durante um bom tempo.

Aos 18 anos, Uhtred se definia como "grande, alto e forte, e também presunçoso e beligerante". Sem dúvida suas atitudes comprovam isso.

Uhtred se casa e tem um filho. É uma história bonita e triste a relação familiar dele.

Embora até agora eu tenha preferido As Crônicas de Artur, a série As Crônicas Saxônicas é viciante também. Recomendo muito a leitura.

Leia também: Cidade dos Ossos