28 de janeiro de 2017

Resenha do livro O Vampiro Lestat


Em O Vampiro Lestat temos a oportunidade de conhecer a vida de Lestat quando ele ainda era um garoto mortal, vivendo com sua família. Acho que o vampirismo não o mudou muito, apenas acentuou o que Lestat já era. Ele sempre foi diferente dos irmãos, ele era sensível e ao mesmo tempo um jovem de coragem. Lestat tinha um espírito de artista e a única pessoa capaz de entender isso era sua mãe, Gabrielle. Por isso ela o apoiou quando ele decidiu ir à Paris viver o sonho de se tornar ator.

Em paris, Lestat foi transformado. Herdou uma fortuna e a imortalidade. A partir daí começamos a perceber o verdadeiro caráter de Lestat, pois ele não abandonou os amigos, nem sua família. Mas os ajudou imensamente. Até suas vítimas eram escolhidas criteriosamente. 

A vida do rapaz dá uma reviravolta quando ele encontra Armand e seus seguidores. Lestat percebe que aqueles vampiros seguem uma tradição obsoleta e, como gosta de quebrar regras, Lestat praticamente os obriga a enxergar além das antigas tradições. Os vampiros saem das sombras e passam a viver entre os humanos. 

Essa não é a única regra que Lestat quebra. Ele simplesmente gosta de desafios. Comete erros. No entanto, não foge das consequências. No final do livro fica evidente todas as loucuras que Lestat é capaz de fazer. Ele não tem noção ou não se importa com o perigo.

Mas, vamos lá... O que eu realmente achei do livro? A história de Lestat não é tão empolgante assim. O que torna a leitura interessante é a riqueza da linguagem da autora. Ela trabalha os sentimentos dos personagens de forma detalhada sem ser maçante. E isso nos dá a sensação de conhecer os personagens intimamente. No entanto, acredito que o livro não precisava ter 468 páginas. Dava para ter "enxugado" muitas coisas. O final foi mais interessante e deixou o desejo de ler o próximo livro, A Rainha dos Condenados

Leia também:


21 de janeiro de 2017

Colleen Hoover



Colleen Hoover é uma escritora norte-americana que vem conquistando o coração dos leitores por conta do seu enorme talento em escrever histórias fascinantes de modo incrivelmente envolvente.

Cada livro que leio dessa mulher me surpreende de um modo muito positivo. Mesmo quando ela pega pesado (Too Late), ainda é possível se encantar com suas histórias.

Criei esse post porque pretendo ler todos os livros dela. E aqui vou enumerar os livros conforme eu for lendo.

Série Hopeless:




Série Slammed:




Série Maybe:


Outros livros:


Too Late (Tarde Demais) publicado de modo independente.

Confesse

É Assim que Acaba

Tenho e pretendo ler em breve:

Novembro 9

Nunca Jamais







Resenha do livro Escreva seu Livro Agora! Planejamento e Estrutura


O livro que eu quero indicar hoje é um pouco diferente do que normalmente é encontrado por aqui. Não se trata de um romance, mas de um manual que vai lhe ajudar a escrever o seu livro.

Se você sempre teve o desejo de escrever um livro, mas se sente meio perdido sobre como começar, como organizar suas ideias, esse livro será o seu ponto de partida. Além de incentivá-lo a tornar o seu projeto realidade, você terá a estrutura que um bom escritor precisa ao menos conhecer para iniciar o seu trabalho de escrita.

Publicar um livro hoje em dia não é tão difícil. Milhares de escritores publicam seus livros de forma independente. Mas, para ter reconhecimento, ou a chance de ser publicado por uma grande editora, no mínimo, você precisa seguir alguns critérios. Mesmo que você não pretenda submeter sua obra à avaliação de editores, você ainda tem um compromisso com o público de apresentar um trabalho de qualidade, se desejar ser lido.

Em minha experiência como leitora, já vi escritores iniciantes cometerem muitos equívocos ao achar que é só colocar suas ideias no papel e pronto, já se tem um livro. Não é tão simples como parece, mas também não é nenhum bicho de sete cabeças, é uma questão de vontade, planejamento e disciplina. 

Sobre o autor:

Felipe Colbert — Nascido no Rio de Janeiro. Além de escritor, palestrante e coach literário, ocupa o cargo de editor desde 2015. Possui trabalhos publicados no Brasil e na Europa. Iniciou a carreira escrevendo thrillers vencedores de prêmios. Já idealizou projetos literários que beneficiaram centenas de escritores com a aplicação de técnicas internacionais de estruturação de romances. Um dos seus livros chegou a ficar por 10 dias consecutivos na lista geral de mais vendidos da maior livraria do Brasil e alcançou o 17° lugar entre romances nacionais e internacionais. Também foi recordista de vendas na Bienal do Livro de 2014, sendo destaque em matéria da revista Veja. Atualmente, mora na cidade de São Paulo.

13 de janeiro de 2017

Leitura em grupo - Armadilha


Este ano de 2017 eu e mais alguns colegas decidimos dar início a um projeto: Leitura em grupo.

Vamos escolher um livro, ler e depois conversar sobre ele.

O primeiro livro escolhido é Armadilha - Melanie Raabe.

Se quiser fazer parte é só acompanhar tudo pelo Facebook clicando neste link.

Sinopse do livro:

Linda, uma escritora best-seller, vive reclusa em sua casa à beira de um lago desde o assassinato de sua irmã mais nova há doze anos. O assassino nunca foi pego, mas Linda o viu de relance, e agora ela acaba de reconhecer seu rosto na TV. Ele é Victor, um brilhante jornalista. Pensando numa saída para pegá-lo, ela escreve um best-seller baseado no assassinato da irmã e concorda em conceder uma única entrevista à imprensa, em sua casa, para Victor. A partir daí tem início um embate perturbador. Cheio de reviravoltas, tensão e terror psicológico.

Venha fazer parte!

4 de janeiro de 2017

Resenha do livro Sempre teremos o verão


Difícil dizer porque gostei dessa trilogia. Não há nada demais nela. Apenas a história de uma garota dividida entre o amor de dois irmãos. Mas simplesmente não consegui largar esses livros até saber com quem ela decidiu ficar!

Jenny Han tem uma narrativa gostosa, isso facilita a leitura. Você lê tão rápido que quando menos espera o livro acabou. O modo como ela narrou intercalando presente, passado e futuro foi sensacional. Amei.

Mas, vamos à história em si? Belly e Jeremiah estão namorando há dois anos. Eles estão na mesma faculdade. Tudo parecia estar indo muito bem até Belly descobrir que Jeremiah errou feio. Ela se decepcionou, nós nos decepcionamos... Sabe quando a gente descobre que o garoto perfeito não foi perfeito? Pois é. Fiquei desapontada com o Jeremiah. No entanto, Belly o perdoou (rápido demais até) e o garoto a pediu em casamento. Toda a família foi contra, por eles serem muito jovens. E, com os acontecimentos, a gente via que o casal não estava pronto mesmo. Jeremiah muito meninão levando tudo na brincadeira. E Belly deixando que Taylor cuidasse de tudo, porque ela estava superperdida. 

A sinopse diz que Belly está mais madura. Mentira. Ela age como uma menina mimada que decidiu que quer brincar de casinha com o Jeremiah. E pior, mesmo sabendo que não esqueceu o Conrad. Ela ama os dois. Ponto.

E por falar em Conrad. Ele sim amadureceu. Mais na dele. Menos implicante. Sabendo lidar melhor com os sentimentos. Foi sensível. Chorou. Desabafou com a pessoa certa. Amadureceu no relacionamento com o pai. Não se afastou de Laurel (mãe da Belly). Ele foi um príncipe.

O que dizer do final? Foi bom. Apesar da autora enrolar demais com os preparativos do casamento e narrar o desfecho correndo em uma página, deu para ficar claro como tudo terminou. 

Acho que o que me deixou já com saudades dos personagens assim que terminei a leitura foi o fato de toda a história ser bem família. Você acaba se apegando. Os personagens não fugiram do padrão de realidade. Cada qual cumpriu o seu papel direitinho. Steven era o irmão chato que pegava no pé, mas, quando era preciso ser irmão, ele era. Taylor era a melhor amiga, mas relação das duas não era perfeita, elas brigavam, passavam um tempo sem se falar, depois voltavam a ser amigas. E assim por diante. Nada fantasioso. Todos com seus defeitos e qualidades, como na vida real. 

Recomendo a leitura!

Os dois primeiros livros dessa trilogia são:




2 de janeiro de 2017

Resenha do livro Sem você não é verão


Este é o primeiro verão que Belly não vai passar na casa da família Fisher. A morte de Susannah (melhor amiga da sua mãe e dona da casa da praia) mudou tudo.

Sem você não é verão começa a ser narrado dois meses após a morte de Susannah. Belly está triste e entediada passando o verão com suas amigas do colégio. Conrad está fazendo um curso de verão e Jeremiah não está na casa da praia.

O primeiro livro da série terminou de um modo bem interessante, insinuava que haveria alguma coisa rolando entre Conrad e Belly. E de fato rolou. Neste segundo livro ela relembra algumas cenas que aconteceu entre eles, e aos poucos a autora vai nos deixando a par da história. A narrativa continua intercalando entre o momento presente e as lembranças de Belly.

Belly continua agindo com imaturidade. Mesmo que ela seja bem jovem, é muito insegura e fala o que vem à cabeça sem pensar nas consequências. Isso a deixa em apuros com Conrad. E por falar em Conrad, ele continua agindo de modo frio em relação aos sentimentos de Belly. Ele não assume nenhum relacionamento com ela, mas também não ajuda a garota a esquecê-lo. Não coloca um ponto final na história. E Belly continua esperando por ele.

Jeremiah é quem mais se destaca entre os irmãos, demonstrando que continua sendo um amor de garoto e fazendo com que Belly ainda se sinta parte da família. No final, Belly percebe o quanto ele sempre foi seu parceiro e o quanto eles têm em comum.

Parece que a garota percebeu que correr atrás de Conrad é perda de tempo. Não que ele não goste dela, os dois irmãos gostam. Mas Conrad é o mais complicado e faz Belly sofrer. Agora, cabe a garota escolher com quem ela quer ficar no terceiro livro.

A trilogia Verão é composta pelos seguintes livros:


2. Sem você não é verão 

3. Sempre teremos o verão

Leia também: