Resenha de Se eu ficar

31 de outubro de 2014

Esse livro foi um dos grandes lançamentos da Editora Novo Conceito neste ano. O livro ficou em primeiro lugar na lista dos mais vendidos durante o mês de setembro, segundo o site Publishnews. A editora estava merecendo dar este salto nas vendas desde que perdeu o autor Nicholas Sparks para a Editora Sextante em 2011.

Que o filme ajudou e muito em todo esse sucesso, não tenha dúvida. Não assisti ao filme, mas li diversos comentários, alguns dizem, inclusive, que o filme é bem melhor que o livro. Faz sentido, já que há um grande apelo dramático e essas coisas são melhores sendo vistas. Além da personagem, Mia Hall, ser uma violoncelista supertalentosa e ouvir música é bem melhor que ler sobre música. Mas vamos falar sobre o livro, ok?

Mia Hall é uma jovem de dezessete anos. Filha de pais roqueiros, a garota surpreende quando decide se dedicar aos estudos de música clássica. E é na escola, na aula de música, enquanto toca o seu violoncelo, que ela desperta a atenção de Adam, o roqueiro popular da escola. Mesmo sem entender o que Adam viu nela, Mia aceita sair com ele e o dois começam a nomorar. É um namoro fofo, pois Adam aceita Mia com o seu jeito meio impopular de ser e mesmo ela não se encaixando em seu grupo de roqueiros.  

Tudo parecia ir bem até que um acidente de carro tira a vida dos pais e do irmão mais novo de Mia, e a deixa em coma. Então a parte interessante da história é que o corpo de Mia fica na UTI enquanto seu espírito vagueia pelo hospital. Ela vê e escuta seus parentes e amigos, os médicos e enfermeiras, mas um comentário em especial, desperta sua atenção: uma enfermeira diz que Mia é quem decide se quer ficar. Mia não sabe como tomar essa decisão. Mas no momento em que Adam consegue vê-la, falar com ela, os sentimentos de Mia são arrebatados e a escolha se torna quase mais fácil.

Não sei se Gayle Forman conseguiu agradar ao público com sua escrita. Durante alguns momentos achei a leitura cansativa. A crítica mencionou que esse livro se tratava de mais um daqueles romances que levam às lágrimas com seus dramas. Mas acho que o que aconteceu com Mia não foi nada que fugisse do normal: algumas pessoas perdem seus entes queridos em acidentes, algumas pessoas sofrem a dor da perda, o luto, e não vejo problema em problemas "reais" serem retratados em livros ou filmes. O livro tem também seu humor e o romantismo não é meloso. Gostei e recomendo.

E não deixem de ler a continuação dessa história em Para Onde Ela Foi

A nossa terra prometida

19 de outubro de 2014

Recentemente li um artigo que falava sobre um homem que estava enfrentando crises de depressão, ansiedade e pânico. Através de suas orações ele buscava a ajuda de Deus. Certa vez ele leu uma escritura que o ajudou imensamente. A escritura falava sobre um grupo de pessoas que estavam em um barco rumo à terra prometida. Esse grupo teve que enfrentar a fúria dos ventos e terríveis tempestades. O vento que causava tanto terror era o mesmo vento que soprava o barco rumo à terra prometida.

O autor do artigo comparava os ventos e as tempestades ao momento pelo qual ele passava. Nos momentos tempestuosos em que a vida lançava seus ventos de fúria, ele buscava a Deus. E o Senhor acalmava o mar à medida que também o fazia compreender que aqueles ventos o levavam a sua terra prometida. O autor do artigo declara: "Sem o vento e as ondas, talvez eu nunca tivesse conhecido a Deus como conheci."

As tempestades de nossa vida são necessárias para nos fazer crescer e amadurecer rumo a nossa terra prometida. E quando, com humildade, buscamos orientação divina, nossos fardos se tornam leves ou suportáveis. Entendemos mais sobre o amor de Deus quando nos aproximamos Dele. Todos nós estamos aqui para chegar a nossa terra prometida. O caminho não é fácil, mas sem dúvida seremos bem recompensados. 

Resenha de Louco por Você

9 de outubro de 2014



Primeiro livro da Jasinda Wilder que leio. Louco por Você é um daqueles livros que quando você termina de ler passa um tempo refletindo sobre a história. É forte. É chocante. 

No início a história é bem inocente. O livro é dividido em três partes, sendo a primeira a que mais gostei. Relata a descoberta do amor entre dois amigos de infância, Nell e Kyle. Eles moram próximos e sempre foram bons amigos. Certo dia, Nell é convidada por outro garoto para sair e Kyle se desespera. A partir disso os dois descobrem que o que sentem um pelo outro é mais que amizade. Aos poucos a relação amorosa entre os dois vai amadurecendo. É tudo muito meigo, muito romântico, uma delícia de ler.

Mas uma tragédia acontece e Kyle morre (isso não é spoiler, pois está na sinopse do livro). Nell reencontra Colton, irmão mais velho de Kyle o qual ela não via há muitos anos. Eles sentem uma ligação forte um com o outro, mas como Nell acabou de perder Kyle e se sente culpada pela morte dele, para ela não fazia sentido se sentir tão atraída por Colton.

Dois anos se passam e eles se reencontram. Nesse reencontro conhecemos uma Nell completamente diferente da adolescente apaixonada. Ela está destruída por ter perdido Kyle e vive uma vida vazia, fazendo escolhas erradas, se autodestruindo física e emocionalmente.

Sem dúvida o momento e o modo em que Kyle morreu foram cruéis e isso fez com que Nell escolhesse viver essa dor da pior maneira possível. Então as duas outras partes do livro são fortes. O que Nell vive com Colton é completamente diferente do que vivia com Kyle. Não há nada de inocente. Colton não é nada inocente. Ele também teve suas dores e entende o que Nell está passando. Ele tenta reerguê-la. 

Confesso que tive que pular algumas páginas do livro. Não gosto de ler descrições minuciosas sobre atos sexuais, ainda mais com uma linguagem chula. A autora usou e abusou disso. Li até o final para saber se Nell conseguiria recuperar o amor-próprio, pois foi isso que lamentei ela ter perdido. O final não decepciona. Mas deixo claro que apesar das boas intenções de Colton com Nell, não considerei os dois um par perfeito. 

Algo bem legal é que Colton faz bico como cantor e o livro dá referências musicais muito boas. Não se preocupe em marcá-las, no final tem uma lista com as músicas citadas no livro.