Os sofrimentos do jovem Werther



Os Sofrimentos do Jovem Werther (1774) é um romance de Johann Wolfgang von Goethe. Marco inicial do romantismo, considerado por muitos como uma obra-prima da literatura mundial, é uma das primeiras obras do autor, de tom autobiográfico - ainda que Goethe tenha cuidado para que nomes e lugares fossem trocados e, naturalmente, algumas partes fictícias acrescentadas, como o final.

Neste livro, o suposto Jovem Werther envia por um longo período cartas ao narrador que, no próprio livro, através de notas de rodapé, afirma que nomes e lugares foram trocados.

O romance é escrito em primeira pessoa e com poucas personagens. Na época ocorreu, na Europa, uma onda de suicídios, de tão profundo que Goethe fora em suas palavras. Num estilo completamente adverso a Fausto, mas não menor que neste.

Sempre tive muita vontade de conhecer essa história. Lembro-me de quando estudei Literatura no Ensino Médio, o Romantismo foi o movimento que mais gostei.

As cartas que Werther envia para seu amigo são tão gostosas de ler que me vi desejando receber cartas também. Antigamente as pessoas eram mais cuidadosas com o que escreviam, por isso as leituras eram mais edificantes.

O amor de Werther por Carlota foi considerado por muitos como algo extremamente exagerado, tamanha era a devoção dele por ela. Deixo aqui um trecho que demonstra bem isso:

"Hoje não pude ir ver Carlota, uma visita inesperada me segurou em casa. Que havia a fazer? Mandei o meu criado ao encontro dela, só para ter junto de mim alguém que tivesse estado em sua presença." 

Fofo e doentio ao mesmo tempo.

Um diálogo que achei bastante interessante foi sobre o suicídio, que é o tema central do livro. Ao conversar com Alberto, o noivo de Carlota, sobre suicídio, Werther diz:

"A natureza humana", prossegui, depois de breve pausa, "tem seus limites; pode suportar até certo ponto a alegria, a mágoa, a dor, mas passando deste ponto ela sucumbe. A questão não é, pois, saber se um homem é fraco ou forte, mas se pode suportar o peso dos seus sofrimentos, quer morais, quer físicos. E eu acho tão espantoso que se chame de covarde ou de desgraçado àquele que se priva da vida, como acharia impertinente tachar de covarde ao que sucumbe a uma febre maligna".

"(...) não há nada mais perigoso do que a solidão".

O livro é repleto de frases que nos faz pensar. O desfecho de Werther é trágico, em seus momentos finais dá para perceber o quanto ele estava perturbado com o amor inalcançável, beirando ao desespero. 

Os sofrimentos do jovem Werther foi um livro que gostei muito de ler por conta da linguagem rica, prazerosa. Senti pena de Werther muitas vezes, gostaria que ele tivesse superado seus sentimentos e dado a volta por cima; mas ele não consegue se separar da Carlota, nem mesmo quando ela pede isso. Aliás, quando ela pede isso, ele se afasta não somente dela, mas da vida...

O livro está disponível em várias versões. E algumas delas estão no Kindle Unlimited. Vou deixar aqui a versão que tem a capa que eu mais gostei

Leia também: O Conde de Monte Cristo - O curioso caso de Benjamin Button.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Menestrel - William Shakespeare

Resenha do livro O Conde de Monte Cristo

Resenha de Apegados