Resenha sobre o livro Dama da meia-noite

 


Eu estava morrendo de saudades do universo dos Caçadores de Sombras. A trilogia Os Artifícios das Trevas já estava na minha lista há um tempinho, mas, com tanta coisa para ler, fui adiando essa leitura. A parte boa foi que eu resolvi comprar os livros físicos. Os demais livros da autora, eu tenho no kindle, mas faz tempo que eu queria comprar os livros físicos porque eu amo essas capas. O outro motivo é que às vezes acho melhor ler nas folhinhas de papel do que nos dispositivos digitais. 

Bom, mas vamos ao que interessa. Por mais que a Cassandra já tenha inúmeros livros desse universo, não dá para enjoar. Os personagens novos são sempre interessantes e os antigos são maravilhosos para recordar. Acho ótimo o fato da autora não deixar nenhum deles esquecido. 

O que falar sobre Jules e Emma? São incríveis! Fiquei encantada com o Julian pelo fato dele ser um garoto tão gentil, responsável e dedicado aos irmãos. Na maior parte do livro senti vontade de pegá-lo no colo. É que o coitado tem tantas responsabilidades que ele se sente sufocado. Não é para menos. Senti muita empatia pelo personagem. 

O Instituto de Los Angeles é liderado pela família Blackthorn, teoricamente por Arthur, tio de Julian. Julian vive no Instituto com seus irmãos mais novos e é o responsável por eles, já que o seu pai morreu quando ele tinha 12 anos. Os irmãos mais velhos de Julian foram exilados por serem parte fada. Helen vive com a esposa em um lugar frio e distante e Mark faz parte da Caçada Selvagem.

Quando assassinatos misteriosos começam a acontecer, as fadas procuram os Blackthorn para que com a ajuda dos demais Caçadores de Sombras eles possam chegar ao assassino que está vitimando também as fadas. É proibido pela Clave que os Nephilim tenham qualquer contato com as fadas, por causa da traição delas. Mas, o líder que veio procurar pelos Caçadores de Sombras do Instituto de Los Angeles, tinha, algo muito valioso para fazer um acordo: Mark. Eles prometeram que Mark poderia ficar com eles e ajudá-los a investigar os crimes.

A chegada de Mark não foi como Julian esperava. Mark era o mais velho, portanto, deveria assumir as responsabilidades e aliviar o fardo de Julian, mas, não foi isso o que aconteceu. Mark tinha praticamente esquecido como era ser um Caçador de Sombras, estava traumatizado e indignado porque a Clave não se importava com ele. Não considerava mais os irmãos como a sua família, não sabia se ainda os amava. Julian não gostou da nova versão do irmão. Mark sentiu o mesmo. 

Emma e Cristina, uma Caçadora de Sombras do México que estava ajudando no Instituto de Los Angeles, foram importantíssimas na adaptação de Mark. 

Eu simplesmente amei esses personagens. Todos foram importantes e alguns têm conteúdo para mais histórias, sem dúvida. E os casais da história? Amei. Embora, tenha ficado uma certa confusão no ar... 

Bom, não é segredo que Julian e Emma se gostam, mas não podem ficar juntos porque são Parabatai. A relação entre eles é linda. Muito amor envolvido. Os dois têm química, têm uma amizade linda, é prazeroso ler sobre os dois. Mas, se trata de uma trilogia e o "Felizes para Sempre" ainda está longe de chegar. Muita história ainda para contar. Muitas decepções ainda para enfrentar.

E por falar em decepção, a descoberta sobre quem realmente matou os pais de Emma foi uma triste surpresa. 

Se é um livro que recomendo? Muito. Se você gosta de fantasia, vai fundo. 

Os personagens são cativantes e envolventes, vale a pena conferir. 

O livro está à venda no site da Amazon através deste link. E o e-book está disponível no Kindle Unlimited, mas só esse primeiro, os demais e-books da série não estão. 

Conheça os demais livros desse universo: Cidade dos Ossos e Anjo Mecânico.

E o próximo livro da série é Senhor das Sombras. Vou ler em breve!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Menestrel - William Shakespeare

Resenha do livro O Conde de Monte Cristo

A arte de perder - Elizabeth Bishop