Conto Sentimentos Vazios

 




A pandemia 

Hoje foi um dia diferente na escola. Foi um dia de despedidas. Não que o ano letivo estivesse terminando, pelo contrário, o ano ainda estava no início, mas por conta de uma pandemia provocada por um novo coronavírus, o SARS-CoV-2, vamos ficar em quarentena. As aulas foram canceladas e os alunos foram dispensados por tempo indeterminado. Foi uma grande surpresa para todos descobrir o quanto somos vulneráveis.

Depois de me despedir de meus amigos com um abraço, o último durante um bom tempo, fui para casa.

Mal havia chegado quando recebi uma mensagem do Thales, meu namorado. Ele não tinha ido para a escola hoje. Ficou sabendo da suspensão das aulas através do grupo de WhatsApp da nossa sala.

Thales queria saber como ficaríamos durante a quarentena. Se teríamos que nos afastar também. Eu respondi dizendo que iria conversar com os meus pais a respeito.

Se tinha alguém que entendia sobre quarentena, eram os meus pais. Eles tinham uma doença genética chamada XP, Xeroderma pigmentoso, que os impedia de sair na luz do sol. Qualquer raio solar poderia deixá-los com bolhas ou queimaduras na pele e com um alto risco de pegarem câncer, por isso eles só saíam de casa durante à noite.

Quando eu era criança, não conseguia entender porque meus pais não saíam comigo. Eu sempre fui levada para a escola pelo motorista e a babá era quem me levava para os passeios à luz do sol. À medida que fui crescendo, eu preferia sair apenas à noite, como os meus pais, mesmo que eles insistissem para eu levar uma vida normal.

No início da adolescência, eu coloquei na cabeça que tinha XP também e me recusava a ir para a escola, alegando que me sentia doente quando estava exposta ao sol. Meus pais me levaram a uma psicóloga que atendia no horário noturno e aproveitaram para me contar um segredo de família: eu era adotada.

Meus pais biológicos eram funcionários da mansão em que meus pais adotivos moravam. Quando eu tinha dois anos, ambos morreram em um acidente de carro. Eu fui a única que sobrevivi, e os Davies me adotaram.

Arsen Davies e Islany Davies são meus pais adotivos. Descobrir que eu fui adotada me trouxe uma série de sentimentos confusos, mas, no meu íntimo, eu me sentia aliviada, pois isso significava que minhas chances de ter Xeroderma pigmentoso eram praticamente nulas.

E meu amor por meus pais de certa forma aumentou. Pois em nenhum momento eles me trataram como se eu não fosse a filha biológica deles. Eu tive amor e muitos privilégios. E também tive uma excelente educação. Assim como meus pais adotivos. 


A adaptação 

Depois de dois meses trancados em casa, meus amigos estavam começando a ficar desesperados. Eu estava conversando com a Sophia, minha melhor amiga, e ela estava reclamando de tudo.

Não é tão ruim assim, Sophia”, tentei tranquilizá-la.  

Você diz isso porque mora em uma mansão. Tente ficar 24h trancada com meu irmão nesse apartamento minúsculo!” Sophia tinha um irmãozinho de cinco anos, o Arthur, que eu considerava um amor, mas ela não pensava dessa forma.

Será que eu não poderia lhe visitar?”, ela me perguntou pela bilionésima vez.

Bem que eu gostaria que você passasse um tempo aqui comigo, mas você sabe como meus pais são superprotetores. Eles me isolaram de tudo. Dispensaram também uma parte dos funcionários. Só estão aqui os que moram conosco. Eles estão sendo bem rigorosos com essa quarentena”, esclareci.

Que pena. E quanto ao Thales? Vocês estão realmente sem se ver?” 

Sim. Meus pais me proibiram de vê-lo também.” E isso estava me matando por dentro.

Que chato”, Sophia me disse.  

Nem me fale.”

Conversei com a Sophia durante mais um tempo, e depois fui para a biblioteca. Eu sempre gostei de ler, mas com tantas atividades no meu dia a dia, nunca sobrava muito tempo. Agora eu estava com bastante tempo livre.

Havia uma coleção de clássicos de capa dura que eu achava linda. Peguei Os Três Mosqueteiros e fui me sentar numa poltrona que ficava próximo à janela com vista para o jardim.

Nesse momento, recebi uma mensagem do Thales que dizia:

Estou com taaaaanta saudade!”   

Eu também estava morrendo de saudades dele. Thales havia sugerido que nos encontrássemos escondido. Eu estava analisando essa possibilidade, mas confesso que considero muito difícil fazer algo escondido dos meus pais.

Sem contar que havia riscos em beijar o Thales, ser contaminada e trazer o vírus para os meus pais, que já tinham uma doença incurável. O meu maior medo sempre foi perdê-los. Só que agora eu tinha medo de perder o Thales também com todo esse tempo longe dele.

No início da quarentena, nos falávamos o tempo todo por mensagens de texto, vídeos. Ouvíamos música e sempre dávamos um jeito de incluir o outro no que estivéssemos fazendo.

Agora eu notava o Thales mais distante. Toda vez que conversávamos ele insistia em me ver e eu não achava que isso fosse ser possível.

E o pior era que não apenas o meu namoro estava estranho. Meus pais também. Eles estavam preocupados com alguma coisa e não queriam me dizer o motivo. Insistiam que tudo estava bem, no entanto, eu podia ver claramente que não estava. 


Nada faz sentido 

Ontem, durante o jantar, eu perguntei aos meus pais o que estava deixando-os preocupados. Depois de algumas respostas evasivas, eles decidiram contar a verdade.

Eles falaram que receberíamos alguém na família, o filho deles.

Isso me deixou muito surpresa, pois, em 16 anos de vida, eu nunca soube que eles tinham outro filho. Por que nunca falavam sobre ele? Pelo menos não conversavam sobre ele na minha presença.

Alin havia saído de casa para fazer faculdade, foi o que me disseram. E depois deram o assunto por encerrado.

Fui para o meu quarto cheia de questionamentos que não foram respondidos. Se Alin tinha saído de casa para fazer faculdade, ele provavelmente teria 18 anos quando foi embora. 16 anos já se passaram. Alvin teria 34 anos. Mas, essa era praticamente a idade dos meus pais. Minha mãe tinha 38 anos e meu pai, 40. A não ser que eles tivessem adotado Alin quando ele era já um rapaz. Por que meus pais não queriam falar sobre isso? Por que nunca me falaram sobre meu irmão? Por que não havia fotos dele em nenhum lugar da casa?

Aliás, só havia fotos minha. Era como se a vida dos meus pais só tivesse começado depois da minha chegada.

Fui dormir cheia de pensamentos inquietantes.

Meus pais sempre foram misteriosos, reclusos, mas eu sempre achei que fosse por causa da doença. Não devia ser fácil não poder ver a luz do sol. No entanto, eles não aparentavam ser infelizes. Principalmente minha mãe, que sempre foi tão amorosa comigo. O tipo de mãe que lia histórias infantis e ensinava a fazer guloseimas na cozinha. O tipo de mãe que abraçava e acalentava. Islany era uma mulher incrível.

Arsen era mais reservado, mas era gentil e amoroso comigo. Me levava para a biblioteca e me contava histórias. Nunca sobre ele. Sempre histórias antigas.

Nunca histórias sobre o filho...

Tive pesadelos enquanto dormia.


A espera 

Quatro meses em quarentena. No final de semana, Alin chegou. Chegou durante à noite. E eu entendi que ele tinha a mesma doença que meus pais.

Durante o dia inteiro, Alin ficou trancado no quarto. Meus pais pareciam inquietos com a sua chegada. Os empregados pareciam inquietos. O clima na mansão havia mudado. Estava tenso.

— Quando vou poder conhecer meu irmão? — perguntei durante o almoço que meus pais não comiam.

Eles quase nunca comiam. Mas, sempre fizeram questão de estar à mesa comigo.

— Durante o jantar — respondeu minha mãe com seu tom de voz contido. Ela sempre falava baixinho. Um tom mais alto que um sussurro.

Meus pais eram assim. Nunca gritavam. Nunca demonstravam sentimentos intensos. Sempre foram gentis.

Quando terminei o almoço, fui para a biblioteca. Mesmo que não conseguisse me concentrar na leitura, fiquei sentada com um livro em mãos, imaginando como seria Alin. Qual seria a aparência dele?

Depois de um tempo, larguei o livro e peguei o celular para conversar com a Sophia. Durante a conversa, eu percebia que ela estava diferente, evasiva... O que será que estava acontecendo com as pessoas? O período em quarentena estava afetando todo mundo.

Thales ignorou minhas mensagens. Eu nem sabia se ainda poderia considerá-lo meu namorado. Claramente ele ficou chateado quando não aceitei me encontrar com ele às escondidas. Mas, eu não podia arriscar trazer mais uma doença para os meus pais.

Resolvi tirar um cochilo até a hora do jantar. Eu não conseguia me concentrar em mais nada mesmo.

Eu sentia falta do Thales.

Eu sentia falta dos meus amigos.

Eu sentia falta da minha antiga vida.

Durante quanto tempo eu teria que ficar trancada? 


A Revelação 

Durante o jantar, Alin finalmente apareceu. Eu fiquei chocada com a sua aparência. Ele era surpreendentemente lindo. Mas, o que me deixou perplexa, foi o fato dele aparentar ter 16 ou 17 anos. No máximo, 18. Isso não fazia sentido.

Ao perceber minha surpresa, Alin perguntou aos nossos pais:

— Vocês ainda não contaram para ela o que eu sou? O que nós somos?

— Alin, nos dê um tempo... — sussurrou minha mãe.

— Querida, creio que não há mais tempo — disse o meu pai a ela. — A Isadora percebe que as coisas não estão fazendo sentido.

— O que eu preciso saber que vocês não estão me contando? — perguntei.

Foi Alin quem me respondeu. Foi Alin quem me contou toda a verdade. E, de repente, tudo fez sentido.

Meus pais não eram como os outros pais.

Não era o Xeroderma pigmentoso que mantinha os meus pais em casa durante o dia.

Meus pais não podiam ter filhos biológicos.

Meus pais mentiram para mim a vida toda.

Meus pais não tinham a idade que me disseram que tinham. Por isso não havia fotos deles em nenhum lugar.

Meus pais tinham muitos e muitos anos de vida.

Meus pais eram vampiros.


Gostou dessa amostra? O conto Sentimentos Vazios está à venda na Amazon. Você pode adquirir através deste link

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Menestrel - William Shakespeare

Resenha do livro O Conde de Monte Cristo

Resenha de Apegados