23 de novembro de 2018

Resenha sobre o livro Adeus às Armas


Adeus às Armas é o segundo romance escrito por Hemingway. Foi publicado originalmente em 1929.
Essa versão que li foi publicada em 2013 pela Editora Bertrand. 

O livro fala sobre Frederic Henry, um americano que se alista no exército italiano durante a Primeira Guerra Mundial. Ele conhece a enfermeira Catherine Barkley, por quem se apaixona. É interessante observar que essa paixão traduz bem os sentimentos de quem vive em uma guerra. Inicialmente, Henry não a amava, mas dizia que sim, porque ela precisava ouvir isso. E Catherine se apegou a esse amor como um refúgio de seu difícil trabalho. Mas, com a convivência, eles passaram a se amar de verdade.

Sobre Catherine, através dos diálogos, a impressão que dá é que ela é meio louquinha, mas isso pode ser proveniente do momento em que eles vivem. Às vezes ela parece um tanto fútil, com umas ideias meio estranhas. No entanto, é uma boa personagem.

Henry descreve a convivência com os parceiros militares, com o padre por quem ele nutre grande respeito, e um pouco dos lugares onde serve.

Quem lê Hemingway, sabe que ele descreve tudo de maneira minuciosa e simples. Os diálogos são sobre situações corriqueiras, o que dá a entender que a história é meio "parada". Mas é justamente essa simplicidade que encanta. 

Li Adeus às Armas aos poucos. Não foi um livro que corri com a leitura. Intercalei com vários outros livros. Não que não tenha gostado, apenas acho que Hemingway é para ser lido aos poucos mesmo. O final do livro é surpreendente.  Vale mesmo a pena a leitura.

O livro está à venda pelo site da Amazon. E está no Kindle Unlimited. Recomendo. 

Leia também: O sol também se levanta.
0

0 comentários:

Postar um comentário